24 de setembro de 2014

[Um Livro na Máquina] #1

(Foto: Nina)

Reza a lenda que o primeiro poema feito na máquina a gente nunca esquece.

Abaixo segue escrito digitado e com possíveis ajustes, já que a minha máquina não possui correção (ou eu ainda não descobri, risos).

A dor dela não era física
Era angústia que aquela mulher sentia
Era um punhal que haviam cravado em seu peito
Era um mundo inteiro de sofrimento em suas costas
A dor dela era um amontoado de tudo e de ninguém
De tudo que foi desgosto
E de nada que realmente tinha de ser.
Nina


Redes Sociais 
FanPage | Instagram

28 comentários:

  1. aiiii que lindinho Nina! essa maquina deve ser muito legal, principalmente pra você que escreve e tudo mais! haha

    www.blogamorarosa.com

    ResponderExcluir
  2. Que poema lindo, li e reli várias vezes. Muito lindo mesmo!
    E adorei a ideia de escrever em uma máquina dessas, gente... meu pai tinha uma e eu brincava horrores. Aí ela quebrou. =/

    Muito lindo!
    Beijos
    As minhas leituras - Lendo e Apreciando

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Kamilla! :)
      Jura? Ah, que pena...
      Beijos...

      Excluir
  3. Lindo, adorei...
    Ainda estou apaixonada por sua máquina,
    vou querer uma pra mim também hehe

    http://soubibliofila.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Acho que a correção pra essas máquina é um lápis que apaga a tinta no papel.. KK'

    Eu curti muito saber que já está usando sua maquina e curti mais ainda quando li seu poema que está lindo ♥♥♥

    Gabryel Fellipe e algo - Confins Literários [agora em parceria com Rudimar Baroncello]

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rsrsrs... Mas dizem que algumas possuem um botão específico.
      Ah, que bom, Gabryel. Muito obrigada. :)
      Beijos...

      Excluir
  5. Que lindo ficou, parabéns!
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  6. Que bonito, Jana.
    Parabéns pelo poema. O fato de ter escrito na maquina de escrever foi o máximo.

    Beijos

    http://soubibliofila.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Que inveja de você, máquina de escrever é algo tão legal. Sabe quando bate aquela inspiração de madrugada para escrever, mas não há paciência para esperar o computador fazer todo aquele processo para ligar?, então... Queria uma máquina para isso.
    Belo poema. Até mais. http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sim. Eu estou adorando, Renato. :)
      É uma ótima alternativa mesmo. Valeu a dica. Faço votos que consiga a sua em breve.
      Beijos.

      Excluir
  8. Preferi ler o texto da máquina...inspirador, texto lindo,imagem linda,quero uma maquina também..rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na máquina fica muito mais charmoso, não é?
      Beijos...

      Excluir
  9. OI, acabei de reformular meu BLOG.
    E ele está repleto daquilo que mais gosto, comportamento e motivações.
    Estou te convidando para fazer parte deste recomeço e foco.
    Então, continue, volte ou conheça o Gabrielly Rosa ♥
    Obrigada, retribuirei cada visita.
    (se já recebeu este comentário, perdão pelo incômodo, mas já voltei com o blog)

    gabriellyrosa.blogspot.com l Facebook l Twitter

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gabrielly! Visitei o seu blog e adorei, porém não consegui comentar.
      De qualquer forma desejo sorte e sucesso! :)
      Beijos...

      Excluir
  10. Oi Janaína,

    Ah que fofo! Preciso ler mais poesia. Faz um bem retado pra alma. E o texto digitado na máquina dá uma nostalgia gostosa... Amei.

    Abraços!!!

    http://milvidasparaler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Muito bom o poema! Adorei ver ele na máquina também. Esse poema reflete realidade de muitas pessoas por ai.
    Beijos!
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico realmente feliz em saber que tenha gostado, Paloma. Beijos...

      Excluir

Tell me! =)
Os comentários serão respondidos nesta página.