26 de setembro de 2014

[RESENHA] Fernão Capelo Gaivota, de Richard Bach

(Foto: Nina)






INFORMAÇÕES: 

Título: Fernão Capelo Gaivota
Título Original: Jonathan Livingston Seagull - a story Editora: Europa America 
Ano: 2008 
Número de páginas: -











Olá, pessoal, tudo bem? 
Sabe aqueles livros que aparecem sorrateiramente em sua vida, você é laçado e acaba passando ele na frente de dezenas de outros livros? Então você o lê em um único dia e quando tem que devolver sente um aperto no peito? Pois é, foi isso que vivi com Fernão Capelo Gaivota. O livro foi escrito em 1970, fala de liberdade e trás uma mensagem inspiradora e foi um fenômeno editorial da década.


Fernão Capelo Gaivota é uma fábula que tem como protagonista a gaivota Fernão que destoa do seu bando, pois não compartilha dos mesmos ideais. Enquanto todas as aves utilizam o voo apenas para sua alimentação Fernão quer ir além... Quer se superar e usar as suas asas para alçar voos cada vez mais altos. Porém, em um determinado dia Fernão acaba sendo excluído de seu grupo por caminhar no contrafluxo, ou seja, todos enxergavam seus ideais como absurdos e inaceitáveis. Por algum tempo Fernão fica isolado, vivendo e acreditando na liberdade e superação que devia haver em todas as gaivotas. Um tempo passado, Fernão – a gaivota sábia – ganha companheiros adeptos a sua filosofia de vida e passa por momentos de aprendizagem e crescimento.

(Foto: Nina)
Este livro me fez refletir sobre o quão importante é a evolução para o ser humano. A sabedoria e o entendimento são necessários para que todos nós – indivíduos pensantes – nos livremos das amarras terrenas que acabam sendo impregnadas em nós. Richard Bach é de uma sabedoria inigualável, pois com uma linguagem simples e metafórica nos inspira a viver o desafio que é a vida, buscando a superação e ultrapassar as barreiras das nossas limitações.
Um ponto curioso é que pela primeira vez li um livro que não possui marcação de páginas – não sei se as demais edições seguem a mesma diagramação. Quase todas as páginas duplas possuem ilustrações de gaivotas que acaba deixando a leitura mais gostosa.
Não quero entrar em méritos religiosos, pois cada um tem a sua crença, mas acredito que os adeptos ao espiritismo farão uma leitura bem específica. Apenas a título de curiosidade, segue comentário de Flávio Bastos – Psicanalista Clínico e Reencarnacionista:

Como na fábula de Fernão Capelo Gaivota, o espírito encarnado que se encontra em processo de evolução, durante o sono e as meditações costuma se desprender do corpo e "alçar voo" em busca de novas oportunidades de contatos e de aprendizados. Quem sente o que Fernão Capelo sentia em seus exercícios de voo, ou seja, sensação de liberdade, desprendimento, segurança e de expansão da consciência, sabe o significado desta gratificante experiência. E aquele que costuma repeti-la com relativa frequência, sabe que cada "viagem" que faz, mais domínio tem sobre a técnica e mais aperfeiçoado torna-se o seu deslocamento pelo espaço.

Enfim, se você gosta de livros que promovam a reflexão e te façam repensar sobre o mundo a sua volta e sobre você mesmo, acho que precisa ler esse livro.

Beijos,
Nina
Redes Sociais
FanPage | Instagram

20 comentários:

  1. ler é sempre bom demais!!!

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Janaina.
    Uma bela leitura.
    Um feliz final de semana.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Oi Janaina!
    Vim retribuir a visita lá no blog e para minha surpresa, tem postagem com Fernão Capelo Gaivota....desde a adolescência, e já faz tempo, que vejo este livro e penso, quero ler! ontem meu filho aparece com ele e me pergunta se já li e eu disse, é agora! Então, minha querida, estou na segunda parte dele, voando junto com ele...acredito em coincidências, elas sempre sinalizam algo! Já sou sua mais nova seguidora, como tu também és a minha mais nova! Um abraço afetuoso e até mais! Cláudia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sério? Que "coincidência" curiosa, não? Quando finalizar a leitura conte-me o que achou.
      Beijos...

      Excluir
  4. Nina, eu sinto falta de livros assim, sabe, que exprimam a vontade de ser libertos! Curti o gaivota com ideais diferentes, buscando atingir um novo patamar com aquilo que havia nele que no fundo ele sabia que poderia ajudá-lo e fazê-lo atingir algo muito maior. Curti, curti, curti.

    Gabryel Fellipe & Algo, agora em parceria com Rudimar Baroncello

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Gabryel. Se tiver oportunidade: leia!
      Beijos...

      Excluir
  5. Eu adoro esses livros reflexivos e de temática espiritualista. Me despertam muito interesse, eu não conhecia esse livro, mas parece deixar uma mensagem bem profunda. Se eu um dia o encontrar compro sem dúvidas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kris, se você gosta dessa temática acho que gostará do livro. Vou torcer para encontrá-lo logo. :)
      Beijos...

      Excluir
  6. Oi Nina, tudo bem?

    Gosto muito de livros nos quais autores utilizam a metáfora para falar sobre questões da vida, lendo sua resenha fiquei pensando em que medida no dia-a- dia a gente faz aquilo que acreditamos e queremos e em que medida apenas seguimos o fluxo e apenas reproduzimos aquilo que nos é colocado. Me interessei bastante pelo livro, beijos da Gi
    http://www.magisbook.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo ótimo e você, Gi? O seu comentário faz todo sentido. Por vezes é preciso ir no contrafluxo, não é?
      Beijos...

      Excluir
  7. Oi, Nina! Tudo bem?
    Eu não conhecia o livro, mas super me encantei com a metáfora dele para falar de liberdade! O tema é incrível e inesgotável, quando uma história se baseia nisso e o resultado é inspirador, imagino que, dificilmente, não irei gostar da trama! Fiquei bem curiosa para conferir e a sua resenha me instigou muito! Bjs
    Jéssica - http://lereincrivel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jéssica! Tudo e você?
      Que bom! Essa era a intenção...rs.
      Espero que possa lê-lo em breve.
      Beijos...

      Excluir
  8. Li este livro quando tinha uns 15 anos. Muito legal!

    ResponderExcluir
  9. Oi Nina,
    Apesar de minha crença ser bem diferente das dos espíritas acho que também vou gostar desse livro, nunca tinha ouvido falar dele, o que me faz pensar que deve ser muito difícil de encontrar, vou ver se tem ele na biblioteca daqui ;)
    grande abraço!!!

    ResponderExcluir
  10. Oi! Também gostei muito desse livro e tirei várias lições. Gostei da sua resenha! Beijos Andreia. www.mardevariedade.com

    ResponderExcluir

Tell me! =)
Os comentários serão respondidos nesta página.