23 de julho de 2011

CONFESSO! [bilhete 1]

Sabe, Clarice, ontem pela noite eu estava a assistir aquela telenovela das oito. Julguei tanto a atitude daquela mulher. Eu gritei, apontei, cuspi na alma dela. Mas hoje à tarde eu compreendi toda aquela raiva. Confesso que julguei porque via nela um reflexo de mim. Em cada atitude, em cada gesto, em cada olhar. Eu me enxerguei nela, entende? Eu me via alí, no lugar dela. Muito mais fácil é julgar, admitir a fraqueza é tão doloroso, não é, Clarice?


by Nina

16 comentários:

  1. Às vezes me identifico com alguns personagens de filmes e da TV.

    ResponderExcluir
  2. ai que triste. e eu adorei.
    tô seguindo (:
    um beijo.


    PS: OBRIGADA PELA VISITA :d

    ResponderExcluir
  3. O importante é reconhecer que a tal critica era o reconhecimento das suas próprias atitudes e o seu modo de ser. Com certeza, é mais fácil criticar e apontar os erros do outro, por isso tem muita gente que não aguenta ouvir uma verdade, se ela mesmo se esconde sempre dela. Adorei a postagem. Beijinhos.

    ResponderExcluir
  4. Amor, parabéns pela criatividade estarei esperando mais brilhetes.Quem nunca julgo alguém que atire a primeira pedra.Temos que nos colocar no papel do réu, para deixarmos de julgar e acabar com pré-julgamento moral.
    Bjossssssssssss!te amooo.

    ResponderExcluir
  5. Precisa dizer alguma coisa? Ela sempre arrasa! Parabéns bonita!

    ResponderExcluir
  6. É interessante como ver nossos defeitos refletidos nos outros sempre nos irrita. Sinto q transferimos o julgamento q temos à respeito de nossas próprias ações para um alvo, assim podemos externalizar a raiva que tivemos de nós mesmos sem sermos autodestrutivos.
    Na minha opinião isso não é totalmente ruim, se nos culpassemos com tanta severidade por nossas ações, viver se tornaria insuportável. O ser humano está fadado ao erro, e precisa se perdoar para continuar em frente. Às vezes passamos por cima do erro sem nos perdoar de verdade, daí vem a repulsa por quem age da maneira q um dia agimos.

    Gostei muito do seu blog.

    Ah, uma pergunta: o bilhete é dirigido a Clarice Lispector? (adoro ela, rs)

    Beijo, boa semana.

    ResponderExcluir
  7. Gostei do tom intimista e narrativo das emoções escritora, parabéns por tua escrita e pelo espaço que é de grande lirismo,

    um cordial abraço.

    ResponderExcluir
  8. e admitir é sempre o primeiro passo! Já que o mesmo foi realizado, agora é hora de por os palitinhos para se moverem!

    Bom dia!

    ResponderExcluir
  9. Devemos deixar o julgamento para o Supremo. Reconhecer os nossos erros é meio caminho andado para nos encontrarmos a nós e nos darmos aos outros.

    Abraço
    oa.s

    ResponderExcluir
  10. já li certa vez que julgar os outros não define quem o outro é, mas define quem vc é...
    acredito q seja bem por aí, viu...

    queria agradecer por vc trocar por alguns momentos a suas letras pelas minhas, e visitar o algumasletrastortas.blogspot.com...
    fique a vontade p voltar... minhas letras tbm são suas!

    bjin!

    ResponderExcluir
  11. Assisto essa novela quase todos os dias e não estou me lembrando de quem é a Clarice... aff

    ResponderExcluir
  12. é sempre mais difícil colocar-se na pele do outro. e é terrível quando na verdade só o que se tem a perceber é que somos iguais ou piores... sempre falhos!
    acabamos por descobrir sutilmente isso, com um "clic", daí nos calamos...

    ResponderExcluir
  13. Eu hoje só vou dar a você os parabéns!!

    Suas ideias o jeito que constrói seus textos tudo muito bom!!

    Que vc tenha um ótimo fds!

    Estou esperando por vc no Alma!

    ResponderExcluir
  14. Costumamos julgar tanto os outros, vira costume, rotina, mal percebemos e já o estamos fazendo. Ver nossos erros em outras pessoas machuca tanto, e é somente nesse momento que percebemos o quanto somos fracos, o quanto nada fazemos para mudar, porque querendo ou não, mudar é difícil, é complicado, e pode nos fazer pisar em falso por muitas vezes, o que não vemos é que mesmo errando, estamos mudando, e ao invés de tentar recomeçar, dessa vez diferente, desistimos. É aí que erramos mais, que erramos profundo, erramos por errar.
    Adorei o bilhete, adorei mesmo, fala tanto em tão poucas linhas. :3

    ResponderExcluir
  15. Nossa,gostei do teu ponto de vista!Sabe,dizem que o que tanto odiamos na outra pessoa,é o mesmo que temos dentro de nós!

    ResponderExcluir

Tell me! =)
Os comentários serão respondidos nesta página.